Análise da utilização de implantes osseointegrados em pacientes com displasia cemento-óssea: revisão de literatura

João Victor Ferreira Costa, Amanda de Menezes Souza, Thiago de Amorim Carvalho, Roberta Rezende Rosa, Fabrício Campos Machado

Resumo


A displasia cemento-óssea é uma lesão com um processo reacional não neoplásico, caracterizada pela substituição óssea normal por tecido fibroso contendo um produto mineralizado neoformado. Possui patogênese desconhecida, tendo o diagnóstico baseado principalmente em achados radiográficos, e sendo necessário tratamento apenas em casos de complicações, como infecções secundárias. Acometem principalmente pacientes do gênero feminino, melanodermas e de meia idade. O presente trabalho visa analisar a instalação de implantes dentários em pacientes com displasias cemento-ósseas e suas possíveis complicações. Foi realizada uma busca nas principais bases de dados com estudos que abrangem a utilização de implantes em pacientes com displasia cemento-óssea. A reabilitação oral com implantes dentários osseointegrados tem sido uma alternativa cada vez mais utilizada, porém, pacientes com lesões displásicas representam um desafio para o tratamento reabilitador devido as mudanças que acometem o osso, gerando problemas para a osseointegração. O sucesso do implante está relacionado com a qualidade e quantidade de osso para estabilizá-lo, assim como a expansão e o estágio da lesão. Logo, a displasia cemento-óssea deve ser analisada como um fator de risco limitante para o uso de implantes osseointegrados.

 Palavras-chave: Displasia; implantes; radiologia.


Texto completo:

Análise da utilização

Apontamentos

  • Não há apontamentos.