Percepção de estética e necessidade de intervenção do laterognatismo em homens de diferentes etnias

João Marcos da Costa Ribeiro, Priscilla Bispo de Carvalho Barbosa, Matheus Melo Pithon, Walbert de Andrade Vieira, Marcio Magno Costa, Luiz Renato Paranhos

Resumo


Este estudo comparou a percepção estética e a necessidade de tratamento em indivíduos de diferentes etnias de laterognatismo avaliados por ortodontistas, cirurgiões bucais e maxilofaciais e leigos. Foram avaliados três indivíduos do sexo masculino de diferentes etnias, nos quais o desvio mandibular foi manipulado digitalmente em diferentes angulações (0 a 8°). A avaliação consistiu em pontuar o grau de agradabilidade das imagens apresentadas em escala numérica e, indicar ou não um tratamento corretivo para a respectiva imagem. Para as análises dos dados foram utilizados os testes Kruskal-Wallis, ANOVA, qui-quadrado e Cochran Q (p<0,05). Foi possível observar que quanto maior o grau de desvio, menores as pontuações atribuídas à imagem. Os leigos atribuíram as pontuações mais altas, com uma diferença significativa entre leigos e cirurgiões orais e maxilofaciais. Em relação à necessidade de tratamento de acordo com o grupo de avaliadores, não houve diferenças estatisticamente significantes entre eles. Além disso, o aumento do grau de desvio aumentou a percepção da necessidade de tratamento. Concluiu-se que quanto maior o desvio mandibular, menor a agradabilidade estético. Leigos são menos críticos em relação à avaliação do desvio mandibular. Não houve diferença na indicação do tratamento pelos diferentes grupos de avaliadores. 

Palavras-chave: Estética. Assimetria facial. Mandíbula. Percepção.


Texto completo:

Percepção de estética

Apontamentos

  • Não há apontamentos.