Imuno-Histoquímica no Diagnóstico de Miofibroma: Relato de Caso

Étore Goulart Chagas, Giullia Silva Almeida, Daniela Meneses Santos, Lair Mambrini Furtado, Liane Maciel Almeida de Souza

Resumo


O miofibroma é uma neoplasia benigna rara com predileção pela região de cabeça e de pescoço, de origem mesenquimal, de células fusiformes tipo miofibroblastos. Apresenta-se clinicamente como uma lesão firme, de crescimento lento e assintomático que pode ter mucosa normal ou ulcerada. Este trabalho objetiva relatar um caso de miofibroma em ventre lingual e ressaltar a relevância da imuno-histoquímica para o diagnóstico diferencial da lesão. Paciente do sexo masculino, 53 anos, feoderma, compareceu ao ambulatório sem assimetria facial. Ao exame intraoral, notou-se aumento volumétrico na superfície ventral da língua do lado direito, sem sintomatologia dolorosa, lesão firme, móvel e de coloração semelhante à mucosa normal. Relatou crescimento lento há cerca de um ano. Após biópsia excisional sob anestesia local, foi feita análise histopatológica com HE (hematoxilina e eosina), na qual observou-se proliferação celular fusiforme organizada em fascículos, citoplasma eosinofílico de limites sugestivos de diferenciação miofibroblástica, presença de células tumorais de aspecto multipolar. Ao exame imuno-histoquímico, reações positivas para ?­SMA, CD34 e Proteína S-100 negativa em células tumorais fusiformes e multipolares, Ki-67 com positividade em menos de 10% das células tumorais. Dessa forma, confirmado o miofibroma. O paciente evoluiu bem ao tratamento e seguiu em observação periódica no ambulatório.


Texto completo:

Imuno-Histoquímica

Apontamentos

  • Não há apontamentos.