ATIVIDADE FÍSICA, ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E A AUTOESTIMA EM UM GRUPO DE JOVENS ADULTOS DE UBERLÂNDIA, MG

roger vinicius bagliano

Resumo


Pesquisa transversal, descritiva, quali-quantitativa objetivou investigar o nível de autoestima de praticantes regulares de exercícios físicos e adeptos da alimentação saudável residentes em Uberlândia/MG. Neste sentido, investigou-se o quanto as práticas de atividades físicas juntamente com hábitos alimentares influenciam na autoestima e qualidade de vida. Diante disso, o problema da pesquisa consistiu em investigar o nível da autoestima de um grupo de praticantes regulares de atividades físicas e adeptos da alimentação saudável? Os instrumentos utilizados foram: Questionário Sociodemográfico e Escala de Autoestima de Rosenberg. Participaram da pesquisa trinta jovens-adultos de ambos os sexos, com idades entre 20 a 41 anos. Os resultados dos participantes foram analisados considerando duas perspectivas: se a prática de atividade de exercícios influencia diretamente na autoestima e se a autoestima se correlaciona com a idade, gênero, tempo de prática de atividade e o tempo de adoção de dieta saudável. Verificou-se que as atividades físicas e a dieta influenciam diretamente no aumento da autoestima dos participantes, e esta não correlaciona com os fatores como tempo, idade, tempo de adoção ou modalidade. Compreende-se, pois, após análise dos resultados que, de forma geral, os praticantes de exercícios regulares e hábitos alimentares, apresentaram uma maior autoestima como resultados dessas práticas.


Referências


BALDWIN, T.; FALCIGLIA, G. Application of cognitive behavioral theories to dietary change.Journalofthe American DieteticAssociation, v.95, p.1315-1317, 1995.

BENEDETTI, T, B. PETROSKI, E, L. GONÇALVES, L, T. Exercícios físicos, autoimagem e autoestima em idosos asilados. Rev. Bras. de Cineastropometria& Desenvolvimento Humano. v.5, n.2, p. 69-74. 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Departamento de atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira – 2ª. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BUSS, P, M. Promoção da saúde e qualidade de vida. 2000.16f. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva-Rio de Janeiro, Brasil.

CECATO, J, F. LUZ, L, S. Avaliação da motivação para a prática de atividade física e autoestima: um estudo de caso. Anuário de Produção de Iniciação Científica Discente. v. 12, nº 14, 57-76. 2009.

CHAIM, J. IZZO, H. SERA, C, T, N. Cuidar em saúde: satisfação com imagem corporal e autoestima de idosos. O Mundo da Saúde São Paulo. v.33(2):n. 175-181. 2009.

ELBAS, M.; SIMÃO; R. Em busca do corpo: exercícios, alimentação e lesões. Rio de Janeiro: Shape, 1997.

FERNANDES, A.C.C.F. et al. Avaliação da auto-imagem corporal e o comportamento alimentar de mulheres. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, v.11, p.252-258, 2017

FRANÇA, C, L. BIAGINNI, M. MUDESTO, A, P, L. ALVES, E, D. Contribuições da psicologia e da nutrição para a mudança do comportamento alimentar. Estudos de Psicologia, 17(2), maio-agosto/2012, 337-345.

FREIRE, R. S.; LÉLLIS, F. L. de O.; FONSECA FILHO, J. A. da; NEPOMUCENO, M. O.; SILVEIRA, M. F. Prática Regular de Atividade física: Estudo de Base Populacional no Norte de Minas Gerais, Brasil. Rev. Bras. Med. do Esporte, Vol. 20, n.5. 2014.

GUEDES, D. P; NETO, J. T. M; GERMANO, J. M; LOPES, V; SILVA, A. J. R. M. Aptidão física relacionada à saúde de escolares: programa fitnessgram. Rev. Bras. Med. Esporte. Vol. 18, N° 2 – Mar/Abr, 2012.

KUK, J; SAUNDERS, T; DAIDSON, L; ROSS, R. Age-related changes in total and regional fat distribution. Ageing Res Ver, Epub. 2009.

LEONARDO, M. Antropologia da alimentação. Revista Antropos, v.3, p.1-6, 2009.

LUPTON, D. Food, Body and the Self.London: SagePublications, 1996. MAHAN, L. K.; ARLIN, M. T. Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia. 8a ed. São Paulo: Roca, 1995.

MARTINS, P, D, N. Motivação para a prática de exercício físico e autoestima em praticantes de exercício físico de ginásios da cidade de Luanda. Tese (Mestrado em Exercícios e Saúde) – Faculdade de Ciências do Desporto ,Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal. p. 84. 2014

MAZO, D, Z. CARDOSO, F, L. AGUIAR, D, L. Programa de hidroginástica para idoso: motivação, autoestima e autoimagem. Revista Brasileira de Cineantropometria& Desempenho Humano. 2006. 67-72.

MEREGE, C. A. A.; ALVES, C. R. R.; SEPULVEDA, C. A.; COSTA, A. dos S.; LANCHA JUNIOR, A. H.; GUALANO, B. Influência do Exercício Físico na Cognição: uma atualização sobre mecanismos fisiológicos. Rev. Bras. Med. do Esporte, Vol. 20, N.3, 2014.

MILLON, T. Teorias da Psicopatologia e Personalidade. Rio de Janeiro: Interamericana, 1979.

MORALES, S, C. DÍAZ, T, K. CUBAMJIN, C, M, R. TORRES, A, F, R. ANALUIZA, E, F, A. Influencia de lasactividades físico-recreativas em la autoestima delaadultomayor. Rev Cubana Invest Bioméd vol.35 no.4 Ciudad de la Habana oct.-dic. 2016.

MOTA, J; RIBEIRO, J. L; CARVALHO, J. Atividade física e qualidade de vida associada à saúde em idosos participantes e não participantes em programas regulares de atividade física. Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v.20, n.3, p.219-25, jul./set. 2006.

OLIVEIRA, F. A. Os benefícios da atividade física no envelhecimento - uma revisão literária. Educação Física em Revista. V.5 n.1 jan/fev/mar/abr – 2011.

PINHEIRO, A; RECINE, E.. Carvalho, M, F..O que é uma alimentação saudável: considerações sobre o conceito, princípios e características : uma abordagem ampliada. Ministério da Saúde,Brasília, 2005.

SACCONI. L, A. - Grande Dicionário Sacconi da Língua - Acompanha CD-ROM - Nova Ortografia (Cód: 2880644) – 2003 – 992 Pág.- São Paulo – Atual.

SAMULSKI, D. LUSTOSA, L. A importância da atividade física para a saúde e a qualidade de vida. Artus – Revista de Educação Física e Desporto, v.17, p.60-70, 1996.

SBCIGO, J, B. BANDEIRA, D, R. DELL’ANGELO, D, D. Escala de autoestima de Rosenberg: validação fatorial e consistência interna. Psico-USF, v. 15, n. 3, p. 395-403, set./dez. 2010.

SCARTEZINI, Luma Guirado; ROCHA, Ana Carolina Raad PIRES, Vanessa da Silva. A NECESSIDADE DE AUTOESTIMA EM CARL ROGERS. Disponível em: http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/hkNYQZ4GFZuVXwL_2013-5-13-15-59-41.pdf. Acessado em Jun. 2017.

SYSTAT. Systat® for Windows® version 10.2 [Sl.]: © Systat Software, 2002.ZAR, J. H. Biostatistical analysis.New Jersey: Prentice Hall, 1984, 718p.

VIANA, V. Psicologia, saúde e nutrição: Contributo para o estudo do comportamento alimentar. Análise Psicológica, v.4, p.611-624, 2002.

VIGGIANO, C.E. Alimentação equilibrada: princípios básicos (Oficinas de Nutrição). São Paulo: SENAC, 1995.

VINCENZO, S, S. APRIL, M, A. Autoestima, conceitos correlatos e Avaliação. 2013.13f. Revista Equilíbrio Corporal e Saúde.

ZAR, J.H. (1984) Biostatistical Analysis. 2nd Edition, Prentice-Hall, Inc., Englewood Cliffs, 718 p


Apontamentos

  • Não há apontamentos.