PREVALÊNCIA DE LESÕES EM ATLETAS NO ANO DE 2017 DE UM CLUBE NA CIDADE DE UBERLÂNDIA-MG.

Valéria Sachi Magazoni, Silas Pereira de Rezende, amanda rodrigues

Resumo


RESUMO

Introdução: Nas últimas décadas os esportes de forma geral evoluíram muito, tanto no que diz respeito á técnica, quanto ao vigor físico. Jogadores de basquete estão em risco de lesão dada a natureza acelerada e de alto contato do esporte. As características do Futsal, onde os jogadores realizam deslocamentos de ritmo intermitente, com mudanças bruscas de direção, propiciam o aparecimento de lesões. A prática do judô demanda grande força física para execução de golpes, com alta competitividade. A modalidade natação, fatores como sobrecarga dos tecidos e os movimentos repetitivos, favorecem o surgimento de lesões.  O voleibol é um esporte que requer grande capacidade de impulsão vertical, agilidade, e velocidade favorecendo a sobrecarga osteomioarticular. Objetivo: O objetivo foi de identificar as lesões osteomioarticulares em atletas do Praia Clube, nas modalidades basquetebol, futsal, judô, natação, voleibol no ano de 2017. Metodologia: Foram avaliados 225 atletas, onde cada esporte tinha 45 atletas, com idade variando de 18 a 30 anos. Para a coleta de dados foi documentação indireta, que foi disponibilizado pelo departamento médico do clube. Resultados: Do total de 225 atletas, 33.% apresentaram algum tipo de lesão esportiva no ano de 2017. Conclusão: A partir da metodologia utilizada conclui-se que, a prevalência de lesões em atletas foi contratura muscular e entorse de tornozelo em atletas praticantes de basquetebol.

 

Palavras chaves: LESÃO; ATLETAS; ESPORTES.

 


Referências


REFERÊNCIAS

Vianna DL, Ciochetti EI, Gomes AL, Fernandes SM. Estudo de lesões nas mãos de goleiros do sexo masculino e feminino e o desempenho da força de preensão manual e sensibilidade cutânea. 2016.

Khan M, Madden, K, Burrus MT, Sikka R. Epidemiology and Impact on Performance of Lower Extremity Stress Injuries in Professional Basketball Players, 2017.

Serrano JM, Shahidian S, Voser RC, Leite N. Incidência e fatores de risco de lesões em jogadores de futsal portugueses. 2013.

Carvalho MAF. Lesões desportivas em jovens atletas de judô de alto nível competitivo: realidade nacional e internacional, 2015.

Lana FS, Amorim IP, Lima PHPM, Leite RD, Castro HO, Pires FO. Prevalência de lesões músculo esqueléticas do complexo articular do ombro em nadadores, 2015.

Paz GA, Maia M, Santana HG, Miranda H, Lima V, Willson JD. Joelho frontal plano de projeção ângulo: Um Estudo Comparativo entre a queda de salto vertical e step-down testes com jovens atletas de voleibol, 2017.

Neto AFDA, Tonin JP, Navega MT. Caracterização de lesões desportivas no basquetebol, 2013.

Mangine GT et al. Bilateral Differences in Muscle Architecture and Increased Rate of Injury in National Basketball Association Players, 2014.

Drakos MC, Domb B, Starkey C, Callahan L, Allen AA. Injury in the national basketball association: a 17-year overview, 2010.

Morse KW, Hearns KA, Carlson MG. Return to Play After Forearm and Hand Injuries in the National Basketball Association, 2017.

Filho MADAL, Cruz RWSD. Frequência das lesões nos membros inferiores no futsal profissional, 2016.

Cierna D, Stefanovsky M., Matejová M, Lystad RP. Epidemiology of Competition Injuries in Elite European Judo Athletes: A Prospective Cohort Study,2017.

Akoto R., Lambert C, Balke M, Bouillon B, Frosch KH, Hoher J. Epidemiology of injuries in judo: a cross-sectional survey of severe injuries based on time loss and reduction in sporting level, 2018.

Vitale JA, Bassani T, Galbusera F, Bianchi A, Martinelli N. Injury rates in martial arts athletes and predictive risk factors for lower limb injuries,2018.

Matthews MJ, Green D, Matthews H, Swanwick E. The effects of Swimming Fatigue on Shoulder Strength, Range of Motion, Joint Control, and Performance in Swimmers,2016.

Kerr ZY, Baugh CM, Hibberd EE, Snook EM, Hayden R., Dompier TP. Epidemiology of National Collegiate Athletic Association men’s and women’s swimming and diving injuries from 2009/10 to 2013/14,2015.

Almeida MOD, Hespanhol LC, Júnior PT, Lopes ADL. Prevalência da dor musculoesqueletal entre nadadores em um torneio nacional de elite,2015.

Santos ALD. Incidência de entorse de tornozelo em atletas amadores de duas equipes de voleibol da grande Florianópolis, 2017.

Anjos JRCDA, et al. Prevalência de lesões em jogadoras de voleibol profissional comparado com jogadoras amadoras nos fundamentos que exigem saltos,2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.