AVALIAÇÃO DO RISCO CORONARIANO EM DOCENTES DO CURSO DE ODONTOLOGIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA

Valéria Sachi Magazoni, Cristina de Matos BOAVENTURA,, Leticia Cabral de FREITAS,

Resumo


Resumo

Introdução: A doença coronariana é o resultado da formação de placas de aterosclerose, que são placas de tecido fibroso e colesterol, que crescem e acumulam-se na parede dos vasos a ponto de dificultar ou mesmo impedir a passagem do sangue. Os fatores de risco já descritos encontram-se aqueles classificados como fatores de risco não modificáveis, como antecedentes familiares, sexo e idade avançada. A hipertensão arterial sistêmica (HAS), o hábito de fumar, a inatividade física, a obesidade e o sobrepeso, e a diabetes mellitus (DM) são considerados fatores de risco modificáveis. Objetivo: O objetivo do presente estudo foi classificar o risco coronariano em docentes da área de Odontologia de uma instituição de ensino superior privada do município de Uberlândia, Minas Gerais. Metodologia: O teste Michigan Heart Asssociation utilizado para a coleta de dados é um questionário que constitui um instrumento prático de prevenção e estabelece valores que possibilitam direcionar os planos de cuidados aos portadores de doença cardiovasculares. O questionário é formado por uma tabela contendo oito fatores de risco. Resultados: De acordo com os resultados demonstrados, foram encontradas correlações positivas, entre os valores total do teste e as variáveis: idade, hereditariedade, exercícios, colesterol e sexo. Conclusão: Conclui-se que homens se encontram na classificação de Risco coronariano “na média” e mulheres “abaixo da média”, portando homens tem um risco aumentado em relação as mulheres para desenvolvimento de doenças coronarianas.

 

Palavras-chave: Doença arterial coronariana, fatores de risco, docentes.


Referências


REFERENCIAS

Socerj. Doenças coronarianas. Disponível em: http://socerj.org.br/doenca-coronariana/>. Acesso em: 2013.

Radtke MB, Wichmann FMA, Couto NA. Diagnóstico primário dos fatores de risco coronariano em idosos vinculados à estratégia saúde da família no interior do Rio Grande do Sul. Revista do Departamento de Educação Física e Saúde e do Mestrado em Promoção da Saúde da Universidade de Santa Cruz do Sul / Unisc, Santa Cruz do Sul.2016; 17(4).

Lima FET, Araújo TL, Lopes MVO, Silva LF, Monteiro ARM, Oliveira SKP. Fatores de risco da doença coronariana em pacientes que realizaram revascularização miocárdica. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2012; 13(4)

Chaves CS, Leitão MPC, Junior ACRB; Sirino ACA. Identificação de fatores de risco para doenças cardiovasculares em profissionais da saúde. ACS Arquivos de Ciências da saúde. 2014 nov; 22(1).

Gouveia SSV, Alves AB, Costa TAS. Análise do nível de estresse e dos fatores de risco de doença cardiovascular em professores da universidade federal do Piauí- campus Parnaíba. Revista Baiana de Saúde Pública. 2013 out./dez; 37(4): 979-990.

Cardoso BLC et al. Estilo de vida e nível de atividade física em docentes universitários. Unimontes Científica. 2016; 18(1): 15-23.

Oliveira RAR, Junior RJM, Tavares DDF, Moreira OC, Marins JCB. Fatores associados á pressão arterial elevada em professores da educação básica. Rev. Educ. Fís/UEM. 2015 jan./mar; 26(1).

Siegel S. Estatística não-paramétrica, para as ciências do comportamento. Trad. Alfredo Alves de Farias. Ed. McGraw-Hill do Brasil. São Paulo, 1975.

Fogaça LT, Roncada C, Zamberlan AR, Tiggmann CL, Dias CP. Avaliação da razão cintura-quadril de indivíduos cardiopatas. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2014 abr/jun; 12(40).

Oliveira RAR, Moreira OC, Lopes PRNR, Amorim W, Breguez MS, Maris JCB. Variáveis bioquímicas, antropométricas e pressóricas como indicadores de risco cardiovascular em servidores públicos. Fisioter. Mov. 2013 abr/jun ; 26(2):369-77.

Soar C. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos não institucionalizados. Rev. Bras. Geriatr.Gerontol.201518(2): 385-395.

Gus I, Ribeiro RA, Kato S, Bastos J, Medina C, Zazlavsky C, Portal VL, Timmers R, Markoski MM, Gottschall CAM. Variações na prevalência dos fatores de risco para doença arterial coronariana no Rio Grande do Sul: uma análise comparativa entre 2002-2014. Arq Bras Cardiol. 2015; 105( 6): 573-579.

Lorenzetti TCCF. Um estudo comparativo: 10 anos de acompanhamento de fatores de risco cardiovascular em funcionários dos setores administrativo e produção de uma metalúrgica de Curitiba. Trabalho de conclusão de curso, 2012.

Nogueira JS, Melo LPL, Sousa SMA, Dias RS, Silva LDC. Fatores de risco cardiovascular e doença coronariana: Uma análise em pacientes revascularizado. Rev Pesq Saúde. 2016; 17(1): 37-41.

Guerra CG, Ferraz RRN, Nascimento MA, Barnabé AS, Fornari JV, Errante PR, Rodrigues FSM. Prevalência de sobrepeso e obesidade em discentes de uma instituição de ensino superior da região macropolitana paulista. Revista de Pesquisa: Saúde em Foco.2016, Edição nº: 08.

Audi CAF, Santiago SM, Andrade MGG, Francisco PMSB. Fatores de risco para doenças cardiovasculares em servidores de instituição prisional: estudo transversal. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília. 2016; 25(2):301-310.

Schmidt L, Benetti F, Aires M. Avaliação do risco cardiovascular de pacientes diabéticos tipo 2. Rev. Pesq. Saúde. 2017; 18(2): 91-96.

Carlucci EMS, Gouvea JAG, Oliveira AP, Silva JD, Cassiano ACM, Bennemann RM. Obesidade e sedentarismo: fatores de risco para doença cardiovascular. Com. Ciências Saúde,2013; 24(4): 375-384.

Amorin RO, Nascimento BB, Krug MR, Nascimento KB. Qualidade de vida e nível de atividade física dos professores da rede municipal de ensino do município de Cruz Alta, RS. Revista digital. 2014 Mayo; 192.

Martelli A. Aspectos fisiopatológicos da aterosclerose e a atividade física regular como método não farmacológico no seu controle. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano. 2014 maio; 2(1): 41-52.

Moura AL, Haddad MCL, Dalmas JC, Martins JT, Pissinati PSC. Avaliação do risco cardiovascular em trabalhadores de um campus universitário público. Saúde (Santa Maria). 2016 Jul./Dez; 42(2): 21-30.

Gomides PHG, Moreira OC, Oliveira RAR, Matos DG, Oliveira CEP. Prevalência de fatores de risco coronariano em praticantes de futebol recreacional. Rev Andal Med Deporte. 2016; 9(2):80–84.

Rezende LFM, Lopes MR, Rey-lopéz JP, Matsudo VKR, Luiz OD. Sedentary behavior and health outcomes: an overview of systematic reviews. PLoS One, San Francisco.2014; 9(8):1-7.

Oliveira JLM, Hirata MH, Sousa AGMR, Gabriel FS, Hirata TDC, Tavares IS, Melo LD, Dória FS, Sousa ACS, Pinto IMF.. Sexo Masculino e Hipertensão Arterial São Preditores de Placa à Angiotomografia das Coronárias. Arq Bras Cardiol. 2015; 104(5):409-416.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.