COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS QUE PRATICAM O MÉTODO PILATES E IDOSOS FISICAMENTE ATIVOS

Valéria Sachi Magazoni, Caio Augusto Mendes de Carvalho, Thaynara Beatriz Cadima Araújo,

Resumo


RESUMO

Introdução: O envelhecimento é um processo involuntário e inevitável que causa perda estrutural e funcional progressiva no organismo. Para se obter um envelhecimento saudável, é de suma importância a realização de atividades físicas. Objetivo: Comparar a qualidade de vida entre idosos que praticam o método Pilates e idosos fisicamente ativos na cidade de Uberlândia-MG através da aplicação do questionário SF-36 de análise da qualidade de vida. Resultados: Não foram encontradas diferenças significativas nas pontuações totais e nas pontuações obtidas nas diferentes dimensões do Questionário SF36 entre participantes que praticam ou não o Pilates. Entretanto, foram constatadas correlações significativas entre a idade e a dimensão “limitações por aspectos emocionais” e entre o tempo de prática de atividade física com a dimensão “vitalidade”. Conclusão: Conclui-se que não existe uma diferença significativa dos resultados dos diversos exercícios quando comparados em relação à qualidade de vida.

Palavras-chaves: Pilates, Idosos, Qualidade de Vida.


Referências


REFERÊNCIAS

Engers PB, Rombaldia A, Portella EG, Silva MC. Efeitos da prática do método Pilates em idosos: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Reumatologia. 2016 Jul; 56(4):352-365.

Estatuto do Idoso / Ministério da Saúde. – 2. ed. rev. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. 70 p. – (Série E. Legislação de Saúde)

Pettigrew S, Burton E, Farrier K, Hill AM, Bainbridge L, Lewin G, et al. A Typology of Factors Influencing Seniors' Participation in Strength Training in Gyms and Fitness Centers. Journal Of Aging And Physical Activity. 2017; 26(3):492-498.

Hagströmer M, Oja P, Sjöström M. Physical activity and inactivity in an adult population assessed by accelerometry. Med Sci Sports Exerc. 2007 Sep; 39(9):1502-1508.

Andreasson J, Tugetam A, Bergman P. Keeping Death at Bay through Health Negotiation: Older Adults’ Understanding of Health and Life within Gym and Fitness Culture. Activities, Adaptation & Aging. 2016 Jul; 40(3):200-218.

Beck B, Daly R, Singh MF, Taffe DR. Exercise and Sports Science Australia (ESSA) position statement on exercise prescription for the prevention and management of osteoporosis. Journal Of Science And Medicine In Sport. 2017 May; 20(5):438-445.

Fleming KM, Herring MP. The effects of pilates on mental health outcomes: A meta-analysis of controlled trials. Complementary Therapies In Medicine. 2018 Abr; 37:80-95.

Franco KFM, Franco YRDS, Oliveira NTB, Padula RS, Cabral CMN. Predictive factors for progression through the difficulty levels of Pilates exercises in patients with low back pain: a secondary analysis of a randomized controlled trial. Brazilian Journal Of Physical Therapy. 2018 Abr; 1-7.

Bueno DR, Marucci MFN, Roediger MA, Gomes IC, Duarte YAO, Lebrão ML. Nível de atividade física por acelerometria em idosos do município de São Paulo: Estudo Sabe. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2016 Abr; 22(2):108-112.

Systat. Systat® for Windows® version 10.2 [S.l.]: © Systat Software, 2002.

Zar JH. Biostatistical analysis. New Jersey: Prentice Hall, 1984.

Lins APM. Fatores Associados ao Sobrepeso em Mulheres de 20 a 59 Anos no Município do Rio de Janeiro [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz; 1999.

Lara S, Wendt P, Silva ML. Comparação da qualidade de vida em mulheres praticantes de Pilates e musculação. ConScientiae Saúde. 2014 Mar; 13(1):134-140.

Nascimento MM, Carvalho ECF. Comparação da percepção da qualidade de vida entre idosos ativos e iniciantes no método Pilates. Revista Brasileira de Qualidade de Vida. 2015; 7(4).

Neto AGR, Grigoletto MEDS, Santos MS, Cyrino ES. Treinamento funcional para idosos: uma breve revisão. R. bras. Ci. e Mov 2016;24(3):167-177.

Borges MRD, Moreira AK. Influências da prática de atividades físicas na terceira idade: estudo comparativo dos níveis de autonomia para o desempenho nas AVDs e AIVDs entre idosos ativos fisicamente e idosos sedentários. Motriz. 2009; 15(3):562-573.

Aguiar JB, Gurgel LA. Investigação dos efeitos da hidroginástica sobre a qualidade de vida, a força de membros inferiores e a flexibilidade de idosas. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2009; 23(4):335-44.

Silva FML, Freire AC. & Canário ACG. Avaliação da qualidade de vida em idosos praticantes e não praticantes de atividade física. Editora Realize, 2017.

Deon LS, Silva ED. Benefícios da prática do Método Pilates sobre a aptidão física de idosos. Universidade de Caxias do Sul, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.