A INFLUÊNCIA DO MÉTODO PILATES SOBRE AS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS

Valéria Sachi Magazoni, Cristina de Matos BOAVENTURA,, Lana Hellen Ferreira BORGES,

Resumo


RESUMO

Introdução: As pressões respiratórias máximas são medidas com o manovacuômetro, sendo que a PImáx refere-se a força dos músculos inspiratórios e a PEmáx faz referência à força dos músculos expiratórios. Algumas atividades físicas têm como um de seus benefícios melhorar os padrões respiratórios e dentre elas pode-se citar o método Pilates que visa trabalhar o corpo de uma forma global, e tem como um de seus princípios básicos o controle da respiração, e sendo assim proporciona uma melhora dos músculos respiratórios. Objetivo: avaliar a influência do método pilates sobre as pressões respiratórias máximas. Metodologia: Participaram da pesquisa 60 indivíduos sendo eles 30 praticantes do método Pilates e 30 não praticantes, que foram avaliados através do manuovacuômetro. Conclusão: Os achados do estudo indicam que não houve influência do método Pilates sobre as pressões respiratórias máximas.

Palavras chave: Pressões respiratórias máximas, método Pilates, praticantes e não praticantes.

 


Referências


REFERÊNCIAS

BARBOSA, J. D. M. I., BARROS, D. M. F. P., GARDENGHI, G.; A influência do método Pilates na força muscular respiratória - Revisão de literatura. Revista Eletrônica Saúde e Ciência, v. 6, n.2, 2016.

ROMANI, J. C. P., MIARA, N., CARRADORE, M. J. K. Avaliação Clínica da Função dos Músculos Respiratórios em Adultos: Revisão da Literatura. Cadernos da Escola de Saúde. Curitiba, Brasil, v.11, n.1-19, p. 1-19, 2017.

COSTA, A. M., RAMOS, J. R. M., LOPES, J. M. A.; A função pulmonar no período neonatal.

BESSA, E. J. C. , LOPES, A. J. , RUFINO, R.; A importância da medida da força muscular respiratória na prática da pneumologia. Pulmão Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 37-41, 2015.

LIBERALINO, E. S. T., SOUSA, T. C. C., SILVA, V. R. L.; Influência dos exercícios do método Pilates sobre o sistema cardiorrespiratório. REBES, Pombal, Brasil, v. 3, n. 3, p. 59-64, jul.-set., 2013.

PEREIRA, C. M., JÚNIOR, A. J. C.; CAMPOS, R. S. Os efeitos do método Pilates na dor lombar – Revisão de literatura. Revista Eletrônica Saúde e Ciência, v. 3, n.1, 2016.

JESUS, L. T. Efeitos do método Pilates sobre a função pulmonar, a mobilidade toracoabdominal e a força muscular respiratória: ensaio clínico não randomizado placebo-controlado. Fisioterapia de Pesquisa, São Paulo, Brasil, v. 22, n. 3, p. 213-222, 2015.

Black LF, Hyatt RE. Maximal respiratory pressures: normal values and relationship to age and sex. Am Rev Respir Dis. 1969;99(5):696-702.

GRANER, E.A. Estatística. Ed. Melhoramentos. São Paulo, 1966. 184 p.

SIEGEL, S. Estatística não paramétrica, para as ciências do comportamento. Trad. Alfredo Alves de Farias. Ed. McGraw-Hill do Brasil. São Paulo, 1975. 250p.

CHAVES, G. S. S. et al . Pressões respiratórias máximas de adolescentes brasileiros com diferentes níveis de atividade física. Conscientiae Saúde. V.12, n. 2, p. 274-281, 2013.

BERTOLDI, J. T. , TESSER, R., DAMACENO, M. S. Impacto do Método Pilates na qualidade de vida dos praticantes. Revista do Departamento de Educação Física e Saúde e do Mestrado em Promoção da Saúde da Universidade de Santa Cruz do Sul / Unisc, v. 17, n.1, p. 15-21, 2016.

ZEN, J. M., REMPEL, C., GRAVE, M.T.Q. Qualidade de vida de praticantes de Pilate e de Sedentários. Conscientiae Saúde, v.15, n.4, p.593-603, 2016.

GONÇALVES et. al. Motivos para a Prática de Pilates em Mariana. Revista Brasileira de CiÊncias da Saúde. Minas Gerais, v.19, n.4, p. 277-284, 2015.

MELO, S. M. A. et al. Envelhecimento Pulmonar acelerado em pacientes com obesidade mórbida. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v.36, n.6, p. 746-752, 2010.

AGNOL, S. M. D. et al. Comparação das pressões respiratórias máximas em idosos que praticam exercícios no solo e na água. Revista Kairós – Gerontologia, São Paulo, Brasil, v.20, n.2 , p. 399-411, 2017.

PESSOA IMBS, Houri Neto M, Montemezzo D, Silva LAM, Andrade AD, Parreira VF. Predictive equations for respiratory muscle strength according to international and Brazilian guidelines. Braz J Phys Ther. http://dx.doi.org/10.1590/bjpt-rbf.2014.0044

VIANA, D. A. et al. Força Muscular Respiratória de Universitários Saudáveis. Revista Brasileira de Ciência e Saúde, v. 19, n. 1, p.31-34, 201.

Reis, A. F; Parada, L. A.. Pressões respiratórias máximas: em indivíduos saudáveis.Porto Velho, p. 1-18, 2016.

QUIRINO, C. P. et al. Efeitos de um protocolo de exercicios baseados no método Pilates sobre variáveis respiratórias em uma população de jovens sedentários. Fisioterapia Brasil, v. 13, n.2, p. 124-132, março/abril 2012.

SANTOS, M; CANCELLIERO-GAIAD, K M; ARTHURI, M T. Efeito do método Pilates no Solo sobre parâmetros respiratórios de indivíduos saudáveis. R. bras. Ci. e Mov, v. 23, n. 1, p. 24-30, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.