Repercussões do exercício aeróbico sobre as atividades de vida diária em pacientes com a Doença de Parkinson

Geraldo Magela Cardoso FILHO,, Anna Clara de Oliveira Vieira

Resumo


RESUMO: A Doença de Parkinson (DP) é caracterizada como um distúrbio neurológico progressivo crônico que ocorre pela degeneração de células nervosas da chamada substância negra, localizadas no encéfalo, sendo estas células responsáveis pela produção e liberação da dopamina, um neurotransmissor importante principalmente para o controle dos movimentos. Os pacientes além de apresentar sintomas motores, podem manifestar complicações não motoras contendo depressão, distúrbio do sono com movimentos rápidos dos olhos, fadiga e também ansiedade. O presente estudo tem como objetivo realizar um programa de exercícios aeróbicos relacionado ao protocolo fit em pacientes com a doença de Parkinson, analisar como essa prática influenciou nas atividades de vida diária e quais foram os resultados desse tratamento. Os dados foram coletados nos pacientes da Associação Parkinson do Triângulo, Organização não governamental (ONG), em Uberlândia MG. Foi utilizado o protocolo fit duas vezes por semana por quatro semanas. A pressão arterial foi aferida no início e ao término de cada sessão de treinamento. Conclui-se que o protocolo fit trouxe benefícios relacionados às atividades de vida diária em pacientes com Doença de Parkinson. Palavras-chave: Doença de Parkinson, Exercício aeróbico, Atividades de vida diária.

Texto completo:

Repercussões do exercício

Referências


REFERÊNCIAS 1. Balsanelli JD, Teixeira-Arroyo C. Benefícios Do Exercício Físico Na Doença De. Rev Educ Física UNIFAFIBE. 2015;IV(3):118–30. 2. Nascimento NF do, Albuquerque DBL de, Nascimento NF do, Albuquerque DBL de. Evaluation of functional changes in the evolutionary stages of Parkinson’s disease: a case series. Fisioter em Mov. PUCPR; dezembro de 2015;28(4):741–9. 3. Cheylla Fabricia M Souza, Helayne Carolyne P Almeida, Jomário Batista Sousa, Pedro Henrique Costa, Yonara Sonaly S Silveira JCLB. A doença de Parkinson e o processo de envelhecimento motor: uma revisão de literatura. Rev Neurocienc. 2011;19(4):718–23. 4. Opara JA, Ma?ecki A, Ma?ecka E, Socha T. Motor assessment in Parkinson ` s disease. 2017;24(3):411–5. 5. Ghorbani Saeedian R, Nagyova I, Krokavcova M, Skorvanek M, Rosenberger J, Gdovinova Z, et al. The role of social support in anxiety and depression among Parkinson’s disease patients. Disabil Rehabil. 2014;36(24):2044–9. 6. Rieder CRM. Diretrizes para a política de atenção integral aos portadores da doença de Parkinson no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS Doença de Parkinson no Brasil Roteiro de Apresentação. 2016. 7. IBGE | Projeção da população [Internet]. [citado 15 de outubro de 2018]. Recuperado de: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/ 8. Bovolenta TM, Felício AC, Bovolenta TM, Felício AC. Parkinson’s patients in the Brazilian Public Health Policy context. Einstein (São Paulo). Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein; setembro de 2016;14(3):7–9. 9. Simone M, Tiago F, Oliveira Almeida F, Santos LS, Júlia R, Veronezi B. Instrumentos de avaliação de qualidade de vida na doença de Parkinson. Vol. 18, Rev Neurocienc. 2010. 10. Lopes Neto D, Araújo RO, Meneghini MEF, Tsuzuki LM. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON. Rev Bras

Pesq Saúde. 2015;17(1):6–10. 11. Filippin NT, Martins JS, Dela Libera LB, Halberstadt BF, Severo AR, Filippin NT, et al. Qualidade de vida de sujeitos com doença de Parkinson e seus cuidadores. Fisioter em Mov. PUCPR; março de 2014;27(1):57–66. 12. Mello MPB de, Botelho ACG. Correlação das escalas de avaliação utilizadas na doença de Parkinson com aplicabilidade na fisioterapia. Fisioter em Mov. março de 2010;23(1):121– 7. 13. Rodrigues-de-Paula F, Lima LO, Teixeira-Salmela LF, Cardoso F. Exercício aeróbio e fortalecimento muscular melhoram o desempenho funcional na doença de Parkinson. Fisioter em Mov. PUCPR; setembro de 2011;24(3):379–88. 14. Academia Brasileira de Neurologia [Internet]. [citado 15 de outubro de 2018]. Recuperado de: http://www.cadastro.abneuro.org/site/conteudo.asp?id_secao=31&id_conteudo=34&ds_sec ao=Perguntas e Respostas 15. Lara Santos V, Silva Milagres B. Perfil Epidemiológico da Doença de Parkinson no Brasil. 16. Fisioterapia no tratamento do Parkinson - iSaúde Bahia [Internet]. [citado 18 de outubro de 2018]. Recuperado de: http://www.isaudebahia.com.br/noticias/detalhe/noticia/fisioterapiano-tratamento-do-parkinson/ 17. Haase DCBV, Machado DC OJ. Atuação da fisioterapia no paciente com doença de Parkinson The physiotherapy ’ s performance in the patient with illness of Parkinson. Fisioter em Mov. 2008;21(1):79–85. 18. Duchesne C, Gheysen F, Bore A, Albouy G, Nadeau A, Robillard ME, et al. Influence of aerobic exercise training on the neural correlates of motor learning in Parkinson’s disease individuals. NeuroImage Clin. fevereiro de 2016;12:559–69. 19. Magalhães Navarro-Peternella F, Silva Marcon S. Qualidade de vida de indivíduos com Parkinson e sua relação com tempo de evolução e gravidade da doença. 2012. 20. Cálculo Amostral - Calculadora on-line [Internet]. [citado 18 de outubro de 2018]. Recuperado de: https://www.publicacoesdeturismo.com.br/calculoamostral/

Srivanitchapoom P, Pandey S, Hallett M. Drooling in Parkinson’s disease: a review. Parkinsonism Relat Disord. 2014 Nov; 20(11): 1109-18.

Fonda D, Schwarz J. Parkinsonian medication one hour before meals improves Symptomatic swallowing: a case study. Dysphagia 1995;10:165-6 23. Rubert VA, Reis DC, Esteves AC. Doença de Parkinson e exercício físico. Revista Neurociência. 2007; 15(2): 141-146.

Ramig LO, Verdolini K. Treatment efficacy: voice disorders. J Speech Lang Hear Res 1998; 41: S101-116

Mattos JP. Diagnostico diferencial. In Meneses MS, Teive HAG (Eds). Doença de

Parkinson: aspectos clínicos e cirúrgicos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996.

Lou JS. Physical and mental fatigue in Parkinson’s disease: epidemiology, pathophysiology and treatment. Drugs Aging. 2009; 26(3): 195-208. doi: 10.2165/00002512- 200926030-00002.

Health Evidence Network. What are the main risk factors for falls amongst older people and what are the most effective interventions to prevent these falls. How should interventions to prevent falls be implemented? World Health Organization 2004.

Gillespie LD, Gillespie WJ, Robertson MC, Cumming RG, Rowe BH. Interventions for preventing falls in elderly people (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, 2006. Oxford: Update Software.

ALMEIDA, Q. J.; LEBOLD, C. A.; Freezing of gait in Parkinson’s disease: a perceptual cause for a motor impairment? J Neurol Neurosurg Psychiatry. v. 81, n. 15. p. 513:18. May, 2010.

GILADI, N.; TREVES, T. A.; SIMON, E. S. et al. Freezing of gait in patients with advanced Parkinson’s disease. J Neural Transm. V. 108, n. 1, p. 53–61, 2001.

Melo LM, Barbosa ER, Caramelli P. Declínio cognitivo e demência associada à doença de Parkinson: características clínicas e tratamento. Rev Psquiatr Clín 2007; 34(4):176-83.

Lakraj AA, Moghimi N, Jabbari B. Sialorrhea: anatomy, pathophysiology and treatment with emphasis on the role of botulinum toxins. Toxins (Basel). 2013 May 21;5(5):101031.

Ziv I, Avraham M, Michaelov Y, Djaldetti R, Dressler R, Zoldan J, et al. Enhanced fatigue during motor performance in patients with Parkinson’s disease. Neurology.

Elbers R, Van Wegen EE, Rochester L, Hetherington V, Nieuwboer A, Willems AM, et al. Is impact of fatigue an independent factor associated with physical activity in patients with idiopathic Parkinson’s disease? Mov Disord. 2009;24(10):1512-8. doi: 10.1002/mds.22664.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.