REPERCUSSÕES DO EXERCICIO AEROBICO SOBRE A RESPOSTA MOTORA EM PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE PARKINSON

Valéria Sachi Magazoni, Geraldo Magela Cardoso FILHO,, Marcela Silva RODRIGUES,

Resumo


RESUMO
Introdução: Existem neurônios no Sistema Nervoso Central (SNC), especificamente na região intitulada de substância negra, que são responsáveis pela produção e liberação de um neurotransmissor que atua principalmente no controle dos movimentos, a dopamina. A Doença de Parkinson (DP), descrita primeiramente em 1817 pelo cirurgião inglês James Parkinson, é uma doença crônica não transmissível caracterizada pela morte dos neurônios produtores de dopamina, uma doença degenerativa e progressiva que afeta principalmente a população idosa. Objetivo: Comparar dados referente ao quadro motor de pacientes com DP submetidos ao exercício aeróbico. Método: Este foi um estudo com abordagem prática , sendo os indivíduos avaliados antes e após o programa de treinamento, para isso utilizou-se a Escala Unificada Da Doença De Parkinson (UPDRS) avaliando-se a parte motora através das questões de 18 a 31. Conclusão: Porém conclui-se que tiveram como benefício, em ganhos nas atividades motoras, a melhora da estabilidade postural consequentemente o que pode ter beneficiado na melhora da marcha e no bater dos dedos. Sendo assim , o protocolo FIT trouxe benefícios relacionados ao exame motor dos pacientes.
Palavras-Chave: Parkinson, exercício aeróbico


Texto completo:

REPERCUSSÕES DO EXERCICIO

Referências


REFERÊNCIAS 1. Balsanelli JD, Teixeira-Arroyo C. Benefícios Do Exercício Físico Na Doença De. Rev Educ Física UNIFAFIBE. 2015;IV(3):118–30.

Nascimento NF do, Albuquerque DBL de, Nascimento NF do, Albuquerque DBL de. Evaluation of functional changes in the evolutionary stages of Parkinson’s disease: a case series. Fisioter em Mov. PUCPR; dezembro de 2015;28(4):741–9.

Cheylla Fabricia M Souza, Helayne Carolyne P Almeida, Jomário Batista Sousa, Pedro Henrique Costa, Yonara Sonaly S Silveira JCLB. A doença de Parkinson e o processo de envelhecimento motor: uma revisão de literatura. Rev Neurocienc. 2011;19(4):718– 23.

Opara JA, Ma?ecki A, Ma?ecka E, Socha T. Motor assessment in Parkinson ` s disease. 2017;24(3):411–5.

Respostas Antes n Depois n

Normal 3 4

Retropulsão, mas se recupera sem ajuda 5 4

Total 8 8

Ghorbani Saeedian R, Nagyova I, Krokavcova M, Skorvanek M, Rosenberger J, Gdovinova Z, et al. The role of social support in anxiety and depression among Parkinson’s disease patients. Disabil Rehabil. 2014;36(24):2044–9.

Rieder CRM. Diretrizes para a política de atenção integral aos portadores da doença de Parkinson no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS Doença de Parkinson no Brasil Roteiro de Apresentação. 2016. 7. IBGE | Projeção da população [Internet]. [citado 15 de outubro de 2018]. Recuperado de: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/

Bovolenta TM, Felício AC, Bovolenta TM, Felício AC. Parkinson’s patients in the Brazilian Public Health Policy context. Einstein (São Paulo). Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein; setembro de 2016;14(3):7–9.

Simone M, Tiago F, Oliveira Almeida F, Santos LS, Júlia R, Veronezi B. Instrumentos de avaliação de qualidade de vida na doença de Parkinson. Vol. 18, Rev Neurocienc. 2010.

Lopes Neto D, Araújo RO, Meneghini MEF, Tsuzuki LM. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON. Rev Bras Pesq Saúde. 2015;17(1):6–10.

Filippin NT, Martins JS, Dela Libera LB, Halberstadt BF, Severo AR, Filippin NT, et al. Qualidade de vida de sujeitos com doença de Parkinson e seus cuidadores. Fisioter em Mov. PUCPR; março de 2014;27(1):57–66.

Mello MPB de, Botelho ACG. Correlação das escalas de avaliação utilizadas na doença de Parkinson com aplicabilidade na fisioterapia. Fisioter em Mov. março de 2010;23(1):121–7.

Rodrigues-de-Paula F, Lima LO, Teixeira-Salmela LF, Cardoso F. Exercício aeróbio e fortalecimento muscular melhoram o desempenho funcional na doença de Parkinson. Fisioter em Mov. PUCPR; setembro de 2011;24(3):379–88.

Academia Brasileira de Neurologia [Internet]. [citado 15 de outubro de 2018]. Recuperado de: http://www.cadastro.abneuro.org/site/conteudo.asp?id_secao=31&id_conteudo=34&ds _secao=Per guntas e Respostas 15. Lara Santos V, Silva Milagres B. Perfil Epidemiológico da Doença de Parkinson no Brasil.

Fisioterapia no tratamento do Parkinson - iSaúde Bahia [Internet]. [citado 18 de outubro de 2018]. Recuperado de: http://www.isaudebahia.com.br/noticias/detalhe/noticia/fisioterapia-notratamento-doparkinson/

Haase DCBV, Machado DC OJ. Atuação da fisioterapia no paciente com doença de Parkinson The physiotherapy ’ s performance in the patient with illness of Parkinson. Fisioter em Mov. 2008;21(1):79–85.

Duchesne C, Gheysen F, Bore A, Albouy G, Nadeau A, Robillard ME, et al. Influence of aerobic exercise training on the neural correlates of motor learning in Parkinson’s disease individuals. NeuroImage Clin. fevereiro de 2016;12:559–69.

Magalhães Navarro-Peternella F, Silva Marcon S. Qualidade de vida de indivíduos com Parkinson e sua relação com tempo de evolução e gravidade da doença. 2012.

Mattos, JP. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS TREMORES. Arq Neuropsiquiatr, v.56, n.2,p.320-323, 1998.

Galhardo, MMAMC; Amaral, AKFJ; Vieira ACC. Caracterização dos distúrbios cognitivos na Doença de Parkinson. Rev CEFAC, v.11, Supl2, p. 251-257, 2009.

Medtronic. AC. Disponível em: < http://www.revistaneurociencias.com.br /edicoe s/2012/RN2002/revisao%2020%2002/624%20revisao .pdf>. Acesso em 15 de maio de 2019.

Lökk TJ. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/anp/v56n2/1848.pdf>. Acesso em 02 de maio de 2019.

Shepherd JJ, et al. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v34/1806-3446-ptp34e3421.pdf>. Acesso em 02 de maio de 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.