PREVALÊNCIA DE CEFALEIA EM CUIDADORES DE CRIANÇAS ATENDIDAS NA CLÍNICA ESCOLA UNITRI

Valéria Sachi Magazoni, Marcos Alves de Lima, Nathalia Souza MACEDO,

Resumo


Introdução: A cefaleia é definida como a presença de dor em qualquer região craniana, fascial ou crânio-fascial, possuindo elevada incidência na população, trata-se do sintoma neurológico mais comum e de uma queixa médica muito frequente, são um importante problema de saúde pública no Brasil e no mundo, devido ao seu impacto individual, laboral e social. Apesar da gravidade e sofrimento que ocasiona, há banalização da dor, com tratamento indevido e inadequado através da automedicação, com utilização de forma abusiva de analgésicos, o que pode levar ao agravamento da dor. Objetivos: Avaliar a incidência de cefaleia nos cuidadores das crianças na clínica escola UNITRI, através do questionário padrão elaborado pela Sociedade Internacional de Cefaleia (SIC). Metodologia: Para a realização da coleta dos dados foi utilizado o Questionário Padrão elaborado pela Sociedade Internacional de Cefaleia (SIC). Aplicado em um grupo amostral de 30 pessoas, com idade entre 25 a 44 anos. Resultados: Entre os cuidadores de crianças atendidas na clínica escola, 30 participantes que responderam as sete perguntas cada, 21 (70%) apresentam dores de cabeça, enquanto 8 (26,67%) não apresentam dores de cabeça. Conclusão: Mediante o presente estudo houve diferença estatisticamente significante entre os resultados encontrados. Concluindo que maioria dos cuidadores relatam ter dores de cabeça de intensidade suportável com frequência de dor de duas a quatro vezes por semana, sendo causa desta patologia nos cuidadores principalmente o cansaço e o estresse.

Palavras chaves: Cefaleia, qualidade de vida, cuidadores.


Texto completo:

PREVALÊNCIA DE CEFALEIA

Referências


REFERENCIAS

COSTA, L. S.; RIBEIRO, S. G. S. Terapias Manuais Em Casos de Cefaleia Tenseional: Uma Revisão Bibliografica. São Lucas, 2016.

CAREZZATO, N. L.; HORTENSE, P. Migrânea: etiologia, fatores de riscos, desencadeantes, agravantes e manifestações clínicas. Revista Rene, São Carlos, Mar./Abr., 2014.

CRUZ, M.C; et al. Cefaleia do Tipo Tensional: Revisão de Literatura. Tese (Graduação) - Medicina, Universidade Camilo Castelo Branco, 2017.

MAGALHÃES, L. V; LOPEZ, T.F; MARBACK, R.F. Interferência na Rotina e Qualidade de Vida Provocadas pela Cefaleia Primária. Tese (Seminário Estudantil) Psicologia, Universidade de Salvador - UNIFACS, 2016.

MARQUES, C. M. P. Enxaqueca da Teoria à Prática. 39 f. Tese (Mestrado) – Ciências Farmacêutica, Faculdade de farmácia da Universidade de Coimbra, 2016.

MONTEIRO, J. M. P; et al. Classificação Internacional de Cefaleias. 3. Ed. 2014.

MASCELLA, V.; et al. Stress, Sintomas de Ansiedade e Depressão em Mulheres com Dor de Cabeça. Boletim Academia Paulista de Psicologia, São Paulo, v. 34, n. 87, 2014.

SOUZA, N. E.; et al. Cefaleia: Migrânea e Qualidade de Vida. Revista de Saúde. Jul./Dez., 2015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Headache Disorders. Disponível em: Acessado em: 17 Março, 2018.

SIEGEL, S. Estatística não- paramétrica, para as ciências do comportamento. Trad. Alfredo Alves Faria. Ed. McGraw-Hill do Brasil. São Paulo, 1975. 350 p.

LIMA, A. S.; et al. Prevalência de cefaleia e sua interferência nas atividades de vida diária em adolescentes escolares do sexo feminino. Revista Paul Pediatr, Petrolina, v. 32, 2014.

TSAI, Y.C.; LIU. C.H. Factors and symptoms associated with work stress and health-promoting lifestyles among hospital staff: a pilot study in Taiwan. BMC Heath Serv Res. 2012.

HARZHEIM, E.; et al. Resumo Clínico – Cefaleia. Tese (Pós Graduação), Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, 2016.

HAEFFNER, R.; HECK, R.M.; JARDIM, V.M.R. Prevalence of headaches and associoted factors in workers of na agricultural enterprise in southern Brasil. Revista Bras Med Trab, 2016.

LAURENTINO, I.M.S. Incapacidade funcional e cefaleia: impactos no cotidiano dos universitários da área da saúde. F. 58, Vitória de Santo Antão, 2018.

CURRY.K.; GREEN, R. Prevalence and management of headache in a university undergraduate population. J Am Acad Nurse Pract. 2007;19(7):378-82.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.