COMPARAÇÃO DOS DADOS FISIOTERAPÊUTICOS EM PACIENTE DE CHARCOT MARIE TOOTH

Valéria Sachi Magazoni, Solange Silva Teixeira, Arielle Miranda Alves,

Resumo


RESUMO
Introdução: A Síndrome de Charcot-Marie-Tooth (CMT) é escrita como uma neuropatia hereditária motora e sensitiva (HMSNs) com características genéticas diferentes, podendo estar de forma autossômica recessiva, que domina ou fica ligada ao cromossomo X. A doença apresenta muitos padrões de herança e evolução clínica. Em linhas gerais, apresentam-se com característica degenerativa e com evolução lentamente progressiva. Na CMT é relevante direcionar pesquisas, uma vez que sua incidência é relativamente alta, atingindo um em cada 2.500 indivíduos. Embora os sintomas iniciais da doença geralmente apareçam na primeira ou segunda década de vida. A deficiência inicia-se nos músculos intrínsecos dos pés nos membros inferiores estendendo-se para os da perna, levando a diversas alterações biomecânicas. Objetivo: Comparar a primeira ficha de avaliação realizada em 2017-I e a última ficha de avaliação em 2018-II com uma paciente de uma instituição privada no período de um ano e meio. Conclusão: Conclui-se que em um período de um ano e meio houve progressão da doença na criança, as maiores mudanças na sua evolução foram em relação aos seus reflexos, tônus e postura.


Texto completo:

COMPARAÇÃO DOS DADOS

Referências


REFERÊNCIAS

Mendonça MMV, Mendonça YMS, Albuquerque PL, Malkes NFA. Aspectos atuais da fisioterapia nas disfunções sensório-motoras em crianças com síndrome de Charcot-MarieTooth Revista Brasileira deNeurologia, Anais do Congresso Brasileiro de Fisioterapia. 2016; 1 (1).

Pereira RB, FelícioLR, FerreiraAS, MenezesSL, FreitasMRG, OrsiniM. Efeitos imediatos do uso de órteses tornozelo-pé na cinemática da marcha e nasreações de equilíbrio na doença de Charcot-Marie- Tooth. Fisioterapia e Pesquisa. 2014;21(1):87-93.

Silva TR, TestaA, Baptista CRJA, Marques W,SverzutACM. Equilíbrio e potência muscular em crianças com doença de Charcot-Marie-Tooth. Brazilian Journal of Physical Therapy. 2014; 18(4):334-342.

Silva MN, AlbuquerqueCR. Abordagem fisioterapêutica no paciente com adoença de Charcot-Marie-Tooth: revisão de literatura. Disponível em:http://www.ceafi.com.br/publicacoes/download/a5a91405d13af2c8484048c8e2bb8fcd7.

Pereira RB, Felício LR, Freitas MRG, Corrêa C, Teixeira S, Bastos VH, et al. Limitações do uso de órteses tornozelo-pé na doença de CharcotMarie-Tooth: estudo de caso. Revista Brasileira de Neurologia. 2014; 50(3):60-65.

Hoyle JC, Isfort MC, Roggenbuck J, Arnold WD. The genetics of Charcot–Marie–Tooth disease: current trends and future implications for diagnosis and management. The Application of Clinical Genetics. 2015; 8:235-243.

CorradoB, CiardiG, BargigliC. Rehabilitation Management of the Charcot–Marie–Tooth Syndrome: A Sistematic Review of the Literature. Medicine. 2016; 95(17):1-7.

Fávero RA, Polese JC, Oliveira SG, Schuster RC. Análise da marcha e funcionalidade na doença de Charcot-Marie-Tooth: relato de caso. Revista Neurociências. 2010; 18(1):44-49.

Vieira THF, Aires RD, Mendonça VA, Côrrea CL. Reabilitação física em um paciente com a Doença de Charcot-Marie-Tooth: Relato de caso. Revista Neurociências. 2009; 17(3):287-292.

Nadol Jr JB, Whyte-Hedley T, Amr SS, O’Malley JT, Kamakura T. Histopatologia do ouvido interno em Síndrome de dente Charcot-Marie causada por uma missenseVariant (p.Thr65Ala) na MPZ Gene. Audiologia Otoneurologia. 2018; 23:326-334.

Wallace A, Pietrusz A, Dewar E, Dudziec M, Jones K, Hennis P, et al. Exercício comunitário é viável para doenças neuromusculares e pode melhorar a capacidade aeróbia. Neurologia. 2019; 92(15):1-13.

Castro AA, Skare TL, Nassif PAN, Sakuma AK, Barros WH. Tendinopatia e Obesidade. ArqBrasCirDig. 2016; 29(1):107-110.

Kutzke JL, Souza KC, Patroni PF. Tratamentos fisioterapêuticos aplicados a lesões de tendão calcâneo: uma revisão sistemática da literatura. Revista eletrônica multidisciplinar – UNIFACEAR. 2018; 2(7):1-14.

Santos LCL. Perfil epidemiológico, sociodemográfico e psicossocial da doença de Charcot-Marie-Tooth [tese Pós Graduação em Ciências da Saúde]. São Cristovão: Universidade Federal de Sergipe; 2016.

Azevedo H, Pupe C, Pereira R, Nascimento OJM. Dor na doença de Charcot-MarieTooth: atualização. Arquivos de Neuro-Psiquiatria. 2018; 76(4):273-276.

Maranho DAC, Volpon JB. Pé cavo adquirido na doença de Charcot-Marie-Tooth. Revista Brasileira de Ortopedia. 2009; 44(6):479-486.

Silva DL, Neto FXP, Nunes CTA, Matos ABTMB, Matos LTMB, Pacheco A. Aspectos Clínicos Otorrinolaringológicos da Doença de Charcot-Marie-Tooth. ArqIntOtorrinolaringol. 2007; 11(4): 472-476.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.