Avaliação da qualidade de vida em relação à incontinência urinaria nas alunas dos cursos de Educação Física e Enfermagem

Valéria Sachi Magazoni, Solange Teixeira SILVA,, Ludimilla Barbosa GOMES,

Resumo


RESUMO: De acordo com a International Continence Society (ICS), incontinência urinária (IU) é determinada como uma condição na qual ocorre queixa de qualquer perda involuntária de urina, sendo um problema social interpretado como parte natural do envelhecimento. Este distúrbio é mais frequente em mulheres , atingindo 25% desta população após a menopausa. Podendo ser classificada em: incontinência urinaria de esforço (IUE), incontinência urinaria de urgência (IUU) e incontinência urinaria mista (IUM). Para avaliar a qualidade de vida das alunas, será utilizado o King’s Health Questionnaire (KHQ). OBJETIVO: Tem como objetivo de qualificar e quantificar a qualidade de vida das alunas que possuem incontinência urinaria dos cursos de Educação Física e Enfermagem de uma instituição de ensino privado da cidade de Uberlândia. METODOLOGIA: A pesquisa foi constituída de formulário de Dados Pessoais e do questionário KHQ. O estudo foi realizado no Centro Universitário do Triângulo, em março e abril de 2019. RESULTADO/DISCUSSÃO: Foram analisadas 47 alunas do curso de Educação Física e 115 alunas do curso de Enfermagem, pois somente esses foram matriculados no primeiro semestre de 2019. Em relação ao item perda urinaria 17,02 % alunas do curso de Educação Física e 49,57% do curso de Enfermagem afirmaram ter perda urinaria. CONCLUSÃO: Conclui-se que as alunas de Enfermagem têm uma qualidade de vida inferior comparado com as alunas de Educação Física.
Palavra chave: Incontinência Urinaria, King’s Health Questionnaire (KHQ), Educação Física e Enfermagem.


Referências


REFERENCIAS 1. Silva, A. C. et AL. Incontinência urinária de esforço feminina: Avaliação e proposta de tratamento fisioterapêutico. BIOMOTRIZ, v.10, n. 01, p. 24 – 39, Jul./2016. 2. Silva, A. S et AL. Impacto da incontinência urinária na qualidade de vida de idosas. Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT (Cáceres). 2017 jan.-jul.(p. 2737). 3. Lopes, D. B. M.; Praça, N. S. Qualidade de vida relacionada à saúde de mulheres que referiram incontinência urinária no pós-parto. Revista Eletrônica Acervo Saúde /ElectronicJournalCollection Health | ISSN2178-2091. 2019. 4. Carvalho, M. P. et AL. O impacto da incontinência urinária e seus fatores associados em idosas. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2014; 17(4):721-730. 5. Correa, J. N. et AL. Ganho de força muscular do diafragma pélvico após utilização dos métodos pilates ou kagel em pacientes com incontinência urinária. Vol.23,n.2,pp.11-17 (Jul – Set 2015). 6. Braz, M. M. et AL. Prevalência de incontinência urinária e seu impacto sobre a qualidade de vida de idosos: estudo comparativo entre meio urbano e meio rural. rural. Revista Kairós Gerontologia, 19(3), pp. 67-77. ISSNe 2176-901X. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP. 2016. 7. Benício, C. D. A. V.; Luz, M. H. B. A.; Lopes, M. H. B. M.; Carvalho, N. A. R. Incontinência Urinária: Prevalência e Fatores de Risco em Mulheres em uma Unidade Básica de Saúde. ESTIMA, v.14 n.4, p. 161-168, 2016. 8. 15Stephen, K. Assessing prevalence of urinary incontinence in Scottish fitness instructors and experience of teaching pelvic floor muscle exercises: an online survey.

The Author(s) 2018. Published by Oxford University Press on behalf of Faculty of Public Health. 9. Carmo, T. F. et AL. Incontinência urinária e função sexual feminina: revisão integrativa de questionários validados. Acta Paul Enferm. 2018; 31(5):558-63. 10. Cabral, R. M. C. et AL. Efeitos da reeducação postural global em desvios posturais e seus benefícios nos sintomas de incontinência urinária de esforço. R. bras. Ci. eMov 2015;23(2):5-13. 11. Matne, A. et AL. Incontinência urinária em mulheres: breve revisão de fisiopatologia, avaliação e tratamento. Visão Acadêmica, Curitiba, v.18 n.3, Jul. - Set./2017 - ISSN 1518-8361. 12. Maia, M.; Roza, T.; Mascarenhas, T. O pavimento pélvico da mulher atleta – perspectiva uroginecológica. Acta ObstetGinecolPort 2015;9(1):56-64. 13. Fiori, A. et AL. Incontinência urinária: o impacto na vida de mulheres acometidas e o significado do tratamento fisioterapêutico. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 36, n. 2, p. 45-56, jul./dez. 2015. 14. Vij M.; Srikrishna, S.; Robinson D.; Cardozo, L. Quality assurance in quality of life assessment—measuring the validity of the King’s Health Questionnaire. 2014 Aug; 25 (8): 1133-5. doi: 10.1007 / s00192-014-2370-5. Epub 2014 Mar 26. 15. Padilha, J. F.; Silva, A. C. da; Mazo, G. Z.; Marques, C. M. de G. Investigação da qualidade de vida de mulheres com incontinência urinária. Arq. Cienc. Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 22, n. 1, p. 43-48, jan./abr. 2018. 16. R CORE TEAM. R: A Language and Environment for Statistical Computing. Vienna, Austria, 2019. Disponível em: . 17. Barbosa, L. J. F. et AL. Perfil das pacientes do ambulatório de uroginecologiade um Hospital Público de Porto Alegre com relação à incontinência urinária e à qualidade de vida. ClinBiomed Res 2016;36(3). 18. Silva, E. C. T. Avaliação da capacidade funcional de mulheres com incontinência urinária utilizando o teste de mobilidade timedeupand go (TUG). Natal – RN, 2016.

Almeida, P. P.; Machado, L. R. G. A prevalência de incontinência urinária em mulherespraticantes de jump. Fisioter. Mov., Curitiba, v. 25, n. 1, p. 55-65, jan./mar. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.