AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM RELAÇÃO À INCONTINÊNCIA URINÁRIA NAS ALUNAS DO CURSO DE ENFERMAGEM DE UMA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE UBERLÂNDIA

Valéria Sachi Magazoni, Solange Teixeira SILVA,, Carolina Aparecida Guimarães MELO,

Resumo


RESUMO: As disfunções da musculatura do assoalho pélvico (MAP), afetam dominantemente o sexo feminino e têm como consequências as incontinências urinária e fecal, desequilíbrio do trato urinário, dentre outras. A incontinência urinária (I.U.) é uma alteração comum caracterizada pela perda involuntária de urina, que afeta negativamente a qualidade de vida da população. Nesse trabalho, falaremos da incontinência urinária de esforço (IUE), que é a perda de urina relacionada ao esforço físico, ao realizar atividades como tossir, rir, espirrar, subir ou descer escadas, correr e levantar peso, em qualquer intensidade irá gerar aumento de pressão na cavidade intra-abdominal, devido a alterações de equilíbrio vesico-esfincteriano. OBJETIVO: O objetivo desse artigo é avaliar a qualidade de vida das alunas que possui incontinência urinária do curso de Enfermagem, do 1º ao 8º período de uma instituição privada da cidade de Uberlândia. METODOLOGIA: A pesquisa foi realizada através do questionário KHQ e formulário de dados pessoais. O estudo foi realizado no Centro Universitário do Triângulo, UNITRI. A pesquisa ocorreu em março e abril de 2019. RESULTADO/DISCUSSÃO: Foram analisadas 115 alunas do curso de Enfermagem com idade média de 24,12 anos, destas 61,74% trabalham regularmente, 77,39% não praticam atividade física, 60,87% utilizam algum método contraceptivo, 49,57% alegaram ter perda urinária, 73,04% têm vida sexual ativa, apenas uma (0,87%) retirou o útero e, também, apenas uma faz reposição hormonal (0,87%). O atual estudo analisa e compara a qualidade de vida das alunas do 1º ao8º período que possuem incontinência urinária, através do questionário KHQ. CONCLUSÃO: Conclui-se que a qualidade de vida das alunas nos domínios podem ser consideradas boas, exceto em relações pessoais. Os scores mostram que elas possuem uma boa qualidade de vida relacionada a incontinência urinária. Palavra chave: incontinência urinária, King’sHealthQuestionnaire(KHQ)eEnfermagem.


Referências


REFERÊNCIAS

Cestári, C. E. et AL. Eletroestimulação no tratamento da incontinência urinaria de esforço feminina. Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT (Cáceres). 2016 ago.dez.(p.93-101). 2. Bocardi, D. A.; Baldon, V. P.; Driusso P. Influência do envelhecimento sore a função e atividade eletromiográfica dos músculos do assoalho pélvico de mulheres nuligestas. XX Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, XVI Encontro Latino Americano de PósGraduaçãoeVIEncontrode IniciaçãoàDocência–UniversidadedoValedoParaíba.2016. 3. Oliveira, L. D. R.; Lopes M. H. B. M. Validação da versão brasileira do Gaudenz Fragebogen: utilizada no diagnóstico diferencial da incontinência urinária feminina. Esc. Anna Neryvol.20no.2RiodeJaneiroApr./June2016. 4. Benício, C. D. A. V.; Luz, M. H. B. A.; Lopes, M. H. B. M.; Carvalho, N. A. R. Incontinência Urinária: Prevalência e Fatores de Risco em Mulheres em uma Unidade Básica de Saúde.ESTIMA,v.14n.4,p.161-168,2016. 5. Saboia,D.M.;Firmiano, M.L.V.; Bezerra,K.C.; Vasconcelos,N.J.A.; Oriá,M.O.B.; Vasconcelos, C. T. M. Impacto dos tipos de incontinência urinária na qualidade de vida de mulheres.RevEscEnferm USP·2017;51:e03266. 6. Patrizzi, L. J; Viana, D A; Silva, L M A; Pegorari, M S. Urinary incontinence in women youngpractitionersofphysicalexercise.R.Bras.Ci.eMov.2014;22(3): 105-110,2014. 7. Cândido, F. J. L. F. et AL. Incontinência urinária em mulheres: breve revisão de fisiopatologia, avaliação e tratamento. Visão Acadêmica, Curitiba, v.18 n.3, Jul. - Set./2017 ISSN1518-8361. 8. Oliveira, A. G. et AL. Incontinência urinária: a atuação do profissional de enfermagem. Revista Eletrônica Acervo Saúde / Electronic Journal Collection Health | ISSN 2178-2091. 2018. 9. Pereira,E. S. et AL. Performance of the pilates method in the strengthening of the pelvic floormusclesintheurinaryincontinenceofeffort.ReonFacema.2017Jul-Set; 3(3):617-623.

Sousa, J. G.; Ferreira, V. R.; Oliveira R. J.; Cestari, C. E. Avaliação da força muscular do assoalho pélvico em idosas com incontinência urinária. Fisioter Mov. 2011 jan/mar;24(1):39-46. 11. Santos, D. A. B. S.; Pivetta. F. M. H.; Badaró, V. F. A. Relação entre o alinhamento pélvico e a incontinência urinária de esforço. Revista Saúde, Santa Maria, Vol. 40, n. 2, Jul./Dez,p.51-58,2014. 12. Benício. C. D. A. V. et AL. Incontinência Urinária: Prevalência e Fatores de Risco em MulheresemumaUnidadeBásicade Saúde.ESTIMA,v.14n.4,p.161-168,2016. 13. Bertoldi, J. T., Queluz, A. G., Piccinini, B. M., Fisioterapia na incontinência urinária de esforço: revisão de literatura. Revista do Departamento de Educação Física e Saúde e do Mestrado em Promoção da Saúde da Universidade de Santa Cruz do Sul / Unisc Joinville SC. Vol15,Nº4,Dezembro2014.Acesso04de setembro2018. 14. Rodrigues, M. P., et AL. Perfil das pacientes do ambulatório de uroginecologia de um Hospital Público de Porto Alegre com relação à incontinência urinária e à qualidade de vida. ClinBiomedRes2016;36(3). 15. Vij M.; Srikrishna, S.; Robinson D.; Cardozo, L. Quality assurance in quality of life assessment—measuringthevalidityof theKing’sHealthQuestionnaire. 16. Padilha, J. F.; Silva, A. C. da; Mazo, G. Z.; Marques, C. M. de G. Investigação da qualidade de vida de mulheres com incontinência urinária. Arq. Cienc. Saúde UNIPAR, Umuarama,v.22,n.1,p.43-48,jan./abr.2018. 17. Oliveira, M; Lattaro, U. Incontinência urinária e atividade física: uma revisão de literatura. Centro Universitário De Brasília, Faculdade de Ciências da Educação e Saúde – FacesCursode Fisioterapia,2015. 18. Tamanini, J. T. N. Relação entre atividade física e incontinência urinária: informações relevantes ao educador físico. Revista Saúde e Pesquisa, v. 8, n. 1, p. 149-155, jan./abr. 2015 ISSN1983-1870-e-ISSN2176-9206. 19. Tonetto, L. S. et AL. Função sexual de idosas com incontinência urinária. Revista KairósGerontologia,19(4),305-318.ISSNe2176-901X.2016. 20. Braz, M. M. et AL. A incontinência urinária no universo feminino: incidência e qualidadede vida.FisioterapiaBrasil-Volume 11-Número1-janeiro/fevereirode2010. 21. Patrizzi, L. J. et AL. Incontinência urinária em mulheres jovens praticantes de exercício físico.o.R.Bras.Ci.eMov.2014; 22(3):105-110.

Tonetto, L. S. et AL. Função sexual de idosas com incontinência urinária. Revista KairósGerontologia,19(4),305-318.ISSNe2176-901X.2016. 23. Silva, A. S. et AL. Impacto da incontinência urinária na qualidade de vida de idosas. UniversidadedoEstadode MatoGrosso-UNEMAT(Cáceres).2017jan.-jul.(p.27-37). 24. Martin, D. G. et AL. Avaliação da força muscular e ativação pressórica do assoalho pélvico de mulheres climatéricas com incontinência urinária de esforço. Fisioterapia Brasil Volume11-Número2-março/abrilde 2010. 25. Matne, A. et AL. Incontinência urinária em mulheres: breve revisão de fisiopatologia, avaliaçãoetratamento.VisãoAcadêmica,Curitiba,v.18n.3,Jul.-Set./2017-ISSN1518-8361. 26. Maia, M.; Roza, T.; Mascarenhas, T. O pavimento pélvico da mulher atleta – perspectivauroginecológica.ActaObstetGinecol Port 2015;9(1):56. 27. Queiroz, D.; Souza, J. C. Qualidade de vida e capacidade para o trabalho de profissionaisdeenfermagem -Psicoinf.Vol.16SãoPaulodez.2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.