Avaliação da capacidade funcional e dor na região cervical em estudantes de fisioterapia de uma instituição de ensino privado

Valéria Sachi Magazoni, Marcos Alves de Lima, JEAN CARLOS SANTOS DA SILVA

Resumo


Resumo: Introdução: A dor apresentada pelas disfunções cervicais é geralmente o sintoma mais frequente, estando relacionada aos esforços repetitivos e a manutenção de posturas inadequadas durante a atividade ocupacional, que acarretam micro traumatismos às vértebras cervicais e aos tecidos moles periarticulares. Existem alguns distúrbios que podem provocar a dor na região cervical, por exemplo, a radiculopatia cervical, sendo considerada uma das doenças que mais afetam a coluna cervical, alguns fatores como hérnia de disco e osteófitos são duas das feridas que podem levar a esse distúrbio. Objetivos: Medir a capacidade funcional e dor na região cervical em estudantes do curso de fisioterapia de uma instituição de ensino privado. Metodologia: A pesquisa avaliou 242 alunos. A coleta foi realizada através do questionário o Índice Neck  Disability (NDI), avaliando os dados obtidos e comparando se idade, sexo e período tiveram influência na dor cervical. Resultados: Dos estudantes avaliados 48,96% apresentaram incapacidade leve e 41,97% não apresentaram incapacidade cervical. Não houve diferenças significativas entre a queixa e as variáveis de sexo, estado civil, atividade física e período acadêmico. Em relação à interferência da dor nas atividades cotidianas, a maioria, apresentou incapacidade leve. Conclusão: Conclui-se que os estudantes de fisioterapia não apresentaram alterações significantes na incapacidade funcional, sendo que a maioria relata não ter dor na região cervical.

Texto completo:

Avaliação da capacidade

Referências


Referências

Silva AF, Costa MAL, Soutinho RSR, Pedrosa AS. Prevalência de Cervicalgia em Acadêmicos de Odontologia de um Centro Universitário Revist. Port.: Saúde e Sociedade. 2017; 2(2):422-434.

Soares J. C., Weber P., Trevisan M. E. et al. Influência da dor no controle postural. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2013, 15(3):371-381

Pasinato Fernanda, Bordin Juliana, Santos-Couto-Paz Clarissa C., Souza Juliana Alves, Corrêa Eliane C. R.. Cervical-scapular muscles strength and severity of temporomandibular disorder in women with mechanical neck pain. Fisioter. mov. [Internet]. 2016 Jun [citado 2018 Set 15] ; 29( 2 ): 269-278.

Ita E. M., Zhang S., Holsgrove P. T., et al. The Physiological Basis of Cervical Facet-Mediated Persistent Pain: Basic Science and Clinical Challenges july 2017 | volume 47 | number 7 | journal of orthopaedic & sports physical therapy

Jesus-Moraleida F. R. et al. Multidimensional features of pain in patients with chronic neck pain. Fisioter. mov. vol.30 no.3 Curitiba julho / setembro 2017

Soares et al. Postura, dor cervical e incapacidade em mulheres, Fisioter Pesq. 2012;19(1):68-72

Aquaroli R. S. et al. Manual therapy and segmental stabilization in the treatment of cervical radiculopathy. Fisioter Mov. 2016 Jan/Mar;29(1):4552

Falavigna A., et al. Instrumentos de avaliação clínica e funcional em cirurgia da coluna vertebral. Coluna/Columna. 2011; 10(1):62-7

Cook C, Richardson et. al. Cross-Cultural Adaptation and Validation of the Brazilian Portuguese Version of the Neck Disability Index and Neck Pain and Disability Scale. (Philadelphia internet newspaper). 2006 [quoted 2017 Jun. 14]; 31(14): 1621-27.

SIEGEL, S. Estatística não-paramétrica, para as ciências do comportamento. Trad. Alfredo Alves de Faria. Ed. McGraw-Hill do Brasil. São Paulo, 1975. 350 p.

Delfino PD et. al. Cervicalgia: Reabilitação. 2012 [citado 2017 Jan. 15]; 19(2): 73-81.

Kredens R. L. et. al. Tratamento de Cervicalgia Tensional com Auriculoterapia Utilizando Pastilhas de Óxido de Silício. Rev Bras Terap e Saúde, 6(2):1-6, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.