TOXINA BOTULÍNICA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DA SIALORREIA EM CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL - REVISÃO DE LITERATURA

Graciele Alves Ferreira, Neila Paula De Souza, Nayara Rúbio Diniz Del Nero

Resumo


EWEWWEW  

Há na literatura ainda poucos estudos referentes ao tema proposto, pois, existe um estigma em relação às crianças com paralisia cerebral, que não tem uma estimativa de vida longa, sendo assim, tão pouco se investe em tratamentos específicos. Segue um contexto geral baseado em revisão literária referente a patologia da sialorreia com uso da toxina botulínica em crianças com paralisia cerebral que abrange não só seus aspectos clínicos, mas também uma qualidade de vida que o tratamento consegue proporcionar a esses pacientes e aos cuidadores. Entre os artigos utilizados temos Dias et al (2016) que aborda a prevalência da paralisia cerebral (PC) em crianças de 1 a 5 para 1.000 nascidos vivos em todo mundo, sendo a causa mais frequente de limitações motoras e sequelas graves permanentes nesses pacientes. A sialorreia (hipersalivação) se torna em muitos dos casos uma sequela secundária que acarreta várias desordens conforme o nível da lesão cerebral na criança em questão, de acordo com o contexto social que está inserida. Ao se falar em tratamento devemos nos atentar para um resultado satisfatório em relação clínica cientificamente dita e se há uma eficácia nesse tratamento que possa refletir de forma positiva na qualidade de vida desses pacientes.

 

Palavras-chave: Sialorreia; Paralisia Cerebral; Toxina Botulínica.


Referências


SCOFANO, D. B. L.; FERNANDES, A. R.; MAIA, F. H. S. Sialorrhea in children with cerebral palsy. J Pediatr, Rio de Janeiro, v. 92, p. 549-58, 2016.

DIONÍSIO, T.; VEIROS, I.; NORUEGAS, M. J. et al. Injeção Ecoguiada de Toxina Botulínica em Crianças com Sialorreia: Procedimento Minimamente Invasivo e Eficaz. Revista Oficial da Sociedade Portuguesa de Pediatria, v. 47, n. 4, P. 316-24, 2016.

DALL'MAGRO, A. K.; SANTOS, R.; DALL'MAGRO, E. et al. Aplicações da toxina botulínica em odontolgia. SALUSVITA, Bauru, v. 34, n. 2, p. 371-82, 2015.

CORSO, B. L.; SILVEIRA, V. C.; BINIHA, A. M. P. et al. Abordagem terapêutica na sialorreia em paralisia cerebral: revisão sistemática. Med Reabil, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 913, fev. 2011.

SPOSITO, M. M. M.; TEIXEIRA, S. A. F. Toxina Botulínica Tipo A para o tratamento da Sialorréia: revisão sistemática. Acta Fisiátr, v. 20, n. 3, p. 147-51, 2013.

PORTES, K. P. Aplicação da toxina botulínica em glândulas salivares como tratamento da sialorreia crônica em pacientes com doença neurológica [Internet]. São Paulo: C. E. N. L. Casas André Luiz; 2010 [citado 2016 Ago 25]. Disponível em: http:// www.mariohomem.com.br/artigos/toxina_botulinica2.pdf

PRUDENTE, C. O. M.; BARBOSA, M. A.; PORTO, C. C. Relação entre a qualidade de vida de mães de crianças com paralisia cerebral e a função motora dos filhos, após dez meses de reabilitação. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 18, n. 2, p. 149-55, 2010.

COSTA, C. C.; FERREIRA, J. B. Aplicação de toxina botulínica nas glândulas salivares maiores para o tratamento de sialorreia crônica. Rev Bras Cir Cabeça Pescoço, v. 37, n. 1, p. 28-31, 2008.

GIBERTONI, F.; ARAÚJO, A. P. G.; LOPES, J. A utilização da toxina botulínica em pacientes com distúrbios neurológicos centrais. Revista Moreira Jr, Londrina – PR, p. 17-22, 2004.

WAJNSZTEJN, R.; ROMANO, T. G.; NOVAES, J. Y. A toxina botulínica e seu uso no tratamento das sequelas de paralisia cerebral. Revista Brasileira de Medicina. v. 60, n. 4, p.179-84, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.