DITATURA DA BELEZA: CONFLITOS DO PRÓPRIO EU

Amanda Ferreira de Albuquerque, Maria Célia Martins Guimarães

Resumo


Na contemporaneidade, a aparência tornou-se “rainha absoluta” e o corpo passou a ser um produto de destaque nos meios de comunicação,    ocasionando um adoecimento físico e psíquico no indivíduo. O culto ao corpo e a busca pela “boa forma” é algo exclusivo da contemporaneidade? Teria a mídia à capacidade de influenciar os processos psíquicos dos indivíduos, ao impor-lhes uma “ditadura da beleza”? Se sim, quais as consequências para os indivíduos que se deixam sucumbir a essa ditadura? Os objetivos: investigar como a ditadura da beleza tem influenciado o funcionamento psíquico de mulheres, na contemporaneidade; verificar os principais conflitos psicológicos decorrentes dos padrões de beleza impostos pela sociedade; identificar o quanto esses padrões interferem na autoimagem e autoestima dessas mulheres. A pesquisa foi de caráter quantitativo, campo e bibliográfica, como instrumentos, um questionário sociodemográfico, um de Avaliação da Imagem Corporal (AGUIAR, 2014) A amostra foi composta por 30 mulheres, de 18 a 35 anos, de Uberlândia e Tupaciguara. Os resultados demonstraram que as mulheres possuem uma preocupação constante com sua aparência física, uma insatisfação com sua autoimagem, o que reflete negativamente na autoestima dessas mulheres. As principais preocupações foram em relação ao peso e à forma corporal e aos cabelos.


Texto completo:

DITATURA DA BELEZA

Apontamentos

  • Não há apontamentos.