BEM-ESTAR NO TRABALHO: UM ESTUDO COM OPERADORES DE TELEMARKETING

Náthila Rafaela Cruz, Leandro José de Oliveira Souto, Andressa Campos Garcia, Kamylla Souza Arantes, Sônia Beatriz Motta Macedo

Resumo


Siqueira e Gomide Jr. (2004) relatam que o bem-estar no trabalho é compreendido como um conceito composto por três componentes: satisfação no trabalho, envolvimento com o trabalho e comprometimento organizacional afetivo. A presente pesquisa buscou investigar o que influencia o bem-estar dos operadores de telemarketing, de uma empresa de Call Center situada na cidade de Uberlândia- MG. As hipóteses levantadas foram se o tempo de função exercido, carga horária, ambiente de trabalho, entre outros, são fatores que influenciam o bem-estar dos operadores de telemarketing. Teve como objetivo correlacionar os dados sócios demográficos e comparar se há diferença no bem-estar entre o grupo feminino e masculino. Foram 81 operadores de telemarketing, sendo a amostra 55,5% do sexo feminino e 44,5% do sexo masculino, com média de idade de 24 anos, tendo 50,7% dessa amostra, o ensino médio completo. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados foram a Escala de Bem-Estar no Trabalho (EBET) de Paschoal e Tamayo (2008) e o questionário sociodemográfico. Quanto ao resultado da pesquisa, os afetos positivos sobressaíram os afetos negativos, podendo assim concluir que os operadores de telemarketing possuem bem-estar no ambiente de trabalho e estão satisfeitos profissionalmente.


Texto completo:

BEM-ESTAR NO TRABALHO

Referências


ALBORNOZ, Suzana. O que é trabalho. Brasiliense, 2017.

ALBUQUERQUE, Anelise Salazar; TRÓCCOLI, Bartholomeu Tôrres. Desenvolvimento de uma escala de bem-estar subjetivo. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 20, n. 2, p. 153-164, 2004.

ANEXO II DA NR-17 : TRABALHO EM TELEATENDIMENTO/TELEMARKETING . 2004. Disponível em: < http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/NR17-ANEXO2.pdf >. Acesso em: 18 dez. 2017.

ASSUNÇÃO, A. A.; VILELA, L. V. O. As condições de adoecimento em uma empresa de tele atendimento. Belo Horizonte: Editora Faculdade de Medicina UFMG, 2003. Relatório de pesquisa

ÁVILA ASSUNÇÃO, Ada et al. Abordar o trabalho para compreender e transformar as condições de adoecimento na categoria dos teleatendentes no Brasil. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 31, n. 114, 2006.

BORGES, Regina Célia Paulineli et al. Tramas da vida cotidiana de jovens universitários que conciliam estudo e trabalho. 2017.

CAMPOS DESSEN, Marina; TORRES DA PAZ, Maria das Graças. Validação do instrumento de indicadores de bem-estar pessoal nas organizações. Psicologia em estudo, v. 15, n. 2, 2010.

CARRILLO-GARCÍA, César et al. Influência do gênero e da idade: satisfação no trabalho de profissionais da saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 21, n. 6, p. 1314-1320, 2013.

CAVAIGNAC, Mônica Duarte. Precarização do trabalho e operadores de telemarketing. Perspectivas: Revista de Ciências Sociais, v. 39, 2011.

DESSEN, Marina Campos; DA PAZ, Maria das Graças Torres. Bem-estar pessoal nas organizações: o impacto de configurações de poder e características de personalidade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 26, n. 3, p. 549-556, 2010.

DE MORAES, Aline Fabia Guerra et al. “Ajudar Os Outros Me Deixa Feliz": Voluntariado E Felicidade No Projeto Acesso Cidadão. Teoria e Prática em Administração (TPA), v. 7, n. 2, p. 36-65, 2017.

DE OLIVEIRA, Maíra Martins; DEMO, Gisela. Bem-estar no trabalho na Disney: o papel das políticas e práticas de gestão de pessoas. Revista Eletronica Gestão & Saúde, v. 4, n. 3, p. 3605-3632, 2014.

GAIGER, Luiz Inácio. A economia solidária diante do modo de produção capitalista. Caderno CRH, v.16, n.39, 2006.

GALINHA, Iolanda Costa; PAIS-RIBEIRO, Luis. Contribuição para o estudo da versão portuguesa da Positive and Negative Affect Schedule (PANAS): I-Abordagem teórica ao conceito de afecto. Análise Psicológica, v. 23, n. 2, p. 209-218, 2005.

GUIMARÃES, Flavia Arantes Lopes et al. Realização profissional, prazer e sofrimento no trabalho e valores: um estudo com profissionais de nível superior. 2005.

LARA, Silvia Hunold. Escravidão, cidadania e história do trabalho no Brasil. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História. ISSN 2176-2767, v. 16, 1998.

LEITE, Cesar Eduardo; LOPES, Gabriela Sena; BARREIRO, Jose Henrique de LC Dieguez. A INFLUÊNCIA DO TRANSPORTE NA QUALIDADE DE VIDA E MOTIVAÇÃO NO TRABALHO.

LIMA SANT'ANNA, Liliane; PASCHOAL, Tatiane; MOREIRA GOSENDO, Eliana Elisabete. Bem-estar no trabalho: relações com estilos de liderança e suporte para ascensão, promoção e salários. RAC-Revista de Administração Contemporânea, v. 16, n. 5, 2012.

MANNRICH, Nelson. Operadores de teleatendimento (telemarketing): algumas reflexões. Revista do, 2010.

MENDES, Eugênio Vilaça. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde, 2015.

MOCELIN, Daniel Gustavo; SANTOS CORRÊA DA SILVA, Luís Fernando. O telemarketing e o perfil sócio-ocupacional dos empregados em call centers. Caderno CRH, v. 21, n. 53, 2008.

NR 17 – ERGONOMIA, Disponível em . Acesso em 25. setembro.2018.

PASCHOAL, Tatiane; TAMAYO, Alvaro. Construção e validação da escala de bem-estar no trabalho. Avaliação psicológica, v. 7, n. 1, 2008.

PASCHOAL, Tatiane. Bem-estar no trabalho: relações com suporte organizacional, prioridades axiológicas e oportunidades de alcance de valores pessoais no trabalho. 2008.

REZENDE, Marcos Antonio. Influência do transporte sobre o nível de estresse dos trabalhadores: trajeto entre residência e local de trabalho. 2012. Dissertação de Mestrado. Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

SILVA, Luís Fernando Santos Corrêa da; MOCELIN, Daniel Gustavo. Satisfação com o emprego em call centers: novas evidências sobre o emprego trampolim. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 9, n. 2, p. 60-71, 2009.

SIQUEIRA, Mirlene Maria Matias; PADOVAM, Valquiria Aparecida Rossi. Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 24, n. 2, p. 201-209, 2008.

SIQUEIRA, Mirlene MM; GOMIDE JR, Sinésio. Vínculos do indivíduo com o trabalho e com a organização. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil, v. 2, p. 317-348, 2004.

TAKAHASHI, Luis Torahiko; SISTO, Fermino Fernandes; CECILIO-FERNANDES, Dario. Avaliação da vulnerabilidade ao estresse no trabalho de operadores de Telemarketing. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 14, n. 3, p. 336-346, 2014.

TEIXEIRA, Clarissa Stefani. Saúde e qualidade de vida nos processos de trabalho: um enfoque pertinente para a ergonomia. Atividade física, lazer & qualidade de vida: Revista de educação física, v. 1, n. 1, p. 7-25, 2010.

ZILIOTTO, Denise Macedo; OLIVEIRA, Bianca Oliveira de. A organização do trabalho em call centers: implicações na saúde mental dos operadores. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 14, n. 2, p. 169-179, 2014.

YOUNG, Carlos Eduardo Frickmann; AGUIAR, Camilla; POSSAS, Elisa. Sinal fechado: custo econômico do tempo de deslocamento para o trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Revista Econômica, v. 15, n. 2, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.